domingo, 5 de junho de 2011

25 de Abril

Era a Liberdade!

Uma data luminosa de liberdade e esperança! um dia que amanheceu cantando:"O povo é quem mais ordena..."
E do negrume, asfixiante e tormentoso, que havia durado 48 anos, surgiu o alvorocer de um novo mundo, a voz da vida renovada e prometedora de todas as alegrias.
Primeiro foram apenas vultos. Moviam-se cautelosamente no lusco-fusco ainda denso da madrugada: eram soldados, jovens, silenciosos, mas decididos no cumprimento da sua missão. E a Rádio insistia no canto, mas nítido:
"O povo é quem mais ordena..."
Depois apareceu gente de todos os lados, correram notícias, abriram-se janelas, o Sol rompeu a neblina matinal, asvozes altearam-se, ressoaram risos e, sem se sabar como, a cidade apareceu florida - toda a gente traziz cravos vermelhos, que distribuía pelos soldados e por quem ia encontrando.
Era a Revolução. Era a Liberdade!

Maria Lamas


O Dia 25 de Abril

O Dia da Liberdade
è um dia de alegria
Deitou-se abaixo a Ditadura
E levantou-se a Democracia.

"Grândola, Vila Morena"
É o nome da canção
Que foi a senha na rádio
Para iniciar a Revolução.

Depois de tão longa noite
Vai romper a madrugada.
E o cravo vai florir
No cano da espingarda.

Toda a gente sai à rua
Para ver e festejar
As nossas Forças Armadas
Que a Pátria vão Libertar.

O Povo de Portugal
Grita por toda a cidade
- Viva o 25 de Abril!
- Viva a Paz e a Liberdade!

Luana Lima

25 de Abril

Dia 25 de Abril
Dia da Liberdade
Caiu a ditadura
E reinou a igualdade.

Na ditadura política
Não se podia falar
Enquanto que na democracia
Já nos podemos expressar.

Os soldados saíram à rua
Com a espingarda na mão
Que em vez de ter balas
Tinha cravos em botão.

Bruna Ribeiro

A Revolução de Abril

Na época actual, os portugueses não conseguem sequer imaginar a vida sem liberdade...
Já ouviste contar que antes do 25 de Abril não vivíamos em democracia, não vivíamos em liberdade?
Por essa razão, um grupo de militares começou a reunir-se clandestinaente em 1073. Com mil cautelas, depois depois de muito pensarem e conversarem, os militares resolveram que o "dia D" seria a 25 de Abril de 974.
E mostraram possuir imaginação férti, porque a maneira como deram ordem de marcha, além de eficaz, teve graça. E foi assim: no dia 24 de Abril, às 22h55 em ponto, uma rádio passou a canção "E depois do Adeus", do cantor Paulo de Carvalho, o que não despertou qualquer suspeita. Mas era o sinal combinado que significava "Tudo a postos, preparem-se!".
E já na madrugada do dia 25 de Abril, outra rádio passou a canção "Grândola, Vila Morena", uma das poucas canções de Zeca Afonso que não tinha sido proibida. E isso significava "Chegou a hora. Avancem!"
Os militares avançaram com o seu plano, que deu resultado. Foi a a revolução do 25 de Abril, mas imagina que é conhecida com Revolução dos Cravos. Será que tens familiares que, nesse dia, andaram nas ruas com os militares?
A partir daí Portugal mudou e a vida das pessoas também.
Vivemos em democracia, o que quer dizer liberdade.
Temos liberdade de pensar, de fazer propostas, de deter soluções, de informar, de reunir, de escolher, de manifestar desagrado, de mudar de ideias, de intervir, de apresentar novos problemas, de exigir, de propor ou promover a resolução desses problema, de encontrar novos caminhos para a vida das pessoas, para o progresso do país.
Para que essas formas de liberdade pudessem existir, houv regras que todos ajudaram a definir e todos têm o dever de respeitar.
Mas não te esqueças! Antes do 25 de Abril de 1974 não era assim.

Ana Maria Magalhães

Sem comentários:

Enviar um comentário